Filarmônica de Minas Gerais recebe Evelyn Glennie, percussionista aclamada no cenário internacional

Uma das maiores percussionistas de todos os tempos, Evelyn Glennie se apresenta pela primeira vez com a Filarmônica de Minas Gerais nos dias 29 e 30 de novembro, às 20h30, na Sala Minas Gerais. Com sua genialidade e técnica exuberante, a percussionista escocesa traz a Belo Horizonte um concerto para percussão que se destaca dentre os escritos nas últimas décadas, Veni, veni, Emmanuel, de MacMillan. Completam o repertório o Prelúdio para “A tarde de um fauno”, de Debussy, e Quadros de uma exposição de MussorgskyOriginalmente composta para piano, essa peça ganhou diferentes interpretações. O público poderá ouvir pela primeira vez em Belo Horizonte a orquestração feita por Francisco Mignone.

 Na série de palestras sobre obras e compositores, promovidas pela Filarmônica antes das apresentações, entre 19h30 e 20h, o convidado das duas noites será o percussionista da Filarmônica de Minas Gerais e curador dos Concertos Comentados, Werner Silveira. As palestras são gravadas em áudio e ficam disponíveis no site da Orquestra. Estes concertos são apresentados pelo Ministério da Cultura e Governo de Minas Gerais. O concerto de sexta-feira, da série Vivace, é apresentado também pelo BNDES. As apresentações contam com o patrocínio da Cemig e incentivo das Leis Federal e Estadual de Incentivo à Cultura.

Repertório sobre Veni, veni, Emmanuel James MacMillan (Kilwinnig, Escócia, 1959) e Veni, veni, Emmanuel (1991/1992)

Bacharel em Música pela Universidade de Edimburgo e Doutor em Composição pela Universidade de Durham, onde foi orientado por John Casken, James MacMillan desponta hoje como o maior dentre os compositores britânicos vivos. Sua produção é ampla, abrangendo óperas, balés, música para teatro e obras orquestrais. Contudo, é sua produção de caráter religioso que faz de MacMillan um dos mais notáveis compositores de seu tempo. Veni, veni, Emmanuel foi encomendada por Christian Salvesen e estreada pela Orquestra de Câmara Escocesa sob regência de Jukka-Pekka Saraste e solo de Evelyn Glennie, em 10 de agosto de 1992, no Prom 27, no Royal Albert Hall. O concerto inspira-se no cantochão Veni, veni, Emmanuel, cujo refrão traz as palavras “Gaude, Gaude” (Regozijai, Regozijai) cantadas na forma de uma nota breve seguida de uma nota longa e outra nota breve seguida de outra nota longa. Essa estrutura rítmica (breve-longa-breve-longa) sugere ao compositor a batida do coração e é o elemento gerador de toda a peça, figurando assim em todos os seus compassos. A composição do concerto deu-se entre o primeiro domingo do Advento de 1991 e o domingo de Páscoa de 1992. Essas datas representativas do calendário cristão delimitam ainda sua estrutura, que explora inicialmente a dimensão teológica contida na noção de Advento e encerra-se, através daquilo que o compositor nomeia um “desvio litúrgico”, com uma alusão à Páscoa. Comungam assim a promessa de libertação dos fiéis do medo, da angústia e da opressão e a imagem do Cristo ressuscitado.

 Sobre Prelúdio para “A tarde de um fauno” Claude Debussy (Saint-Germain-em-Laye, França, 1862 – Paris, França, 1918) e o Prelúdio para “A tarde de um fauno” (1891/1894)

Se revoluções podem chegar suaves como o sopro de uma flauta, o Prelúdio para “A Tarde de um fauno” de Claude Debussy é a prova cabal disto. A partitura imaginada por ele é moderna, ligeiramente nebulosa, sedutora, de harmonia indescritível e tonalidades ambíguas. Trata-se de um verdadeiro banquete sonoro transcendental. Sobre ela, Debussy escreveu: “A música deste Prelúdioé uma ilustração muito livre do belo poema de Stéphane Mallarmé. Ela não reivindica ser uma síntese dos versos, mas sim uma sucessão de cenas pelas quais os desejos e sonhos do fauno avançam no calor de uma tarde. Então, exausto de perseguir o caminho por medo das ninfas e náiades, ele abandona a si mesmo em um sono inebriante, cheio de sonhos, e finalmente percebeu-se em plena posse no meio da natureza universal”. A estreia deixou a todos deslumbrados, tanto que os parisienses que estavam na Société Nationale de Musique naquele dia 22 de dezembro de 1894 insistiram para que a obra fosse imediatamente repetida.

 Sobre Quadros de uma exposição Modest Mussorgsky (Karevo, Rússia, 1839 – São Petesburgo, 1881) e Quadros de uma exposição(1874)

Quadros de uma exposição foi composta por Mussorgsky para seu amigo Viktor Hartmann, pintor talentoso que jamais conheceria o sucesso em vida. Hartmann morreu em 1873, aos 39 anos, vítima de um aneurisma. No ano seguinte, a Associação dos Arquitetos de São Petersburgo realizou uma exposição com aproximadamente 415 obras do pintor, a qual Mussorgsky visitou inúmeras vezes. Desejoso de homenagear o amigo, ele compôs, no mesmo ano, a grandiosa suíte para piano intituladaQuadros de uma exposição. A obra é estruturada em dez quadros e cinco caminhadas (Promenade). Os quadros são inspirados nos desenhos, croquis e pinturas de Hartmann as Promenades são o próprio compositor que caminha pela exposição. Após a morte de Mussorgsky, em 1881, a obra alcançaria um sucesso estrondoso no mundo inteiro e inúmeros compositores se empenhariam em orquestrá-la. Um deles foi o brasileiro Francisco Mignone, mas pouco se sabe sobre essa belíssima orquestração. Sua viúva, a pianista Maria Josephina Mignone, desconhecia a obra e parece tê-la encontrado apenas após a morte do marido, em 1986, perdida em uma gaveta. No entanto, acredita-se que tenha sido realizada no final da década de 1940, já que nos manuscritos das partes cavadas, atualmente na Biblioteca Nacional, verifica-se que ela foi executada em março de 1952 no Theatro Municipal do Rio de Janeiro, assim como em 1953 no Sodre (Servicio Oficial de Difusión Radio Eléctrica), de Montevidéu, e em 1954 nas comemorações do quarto centenário da cidade de São Paulo. A orquestração de Mignone paraQuadros de uma exposição é especial, extremamente fiel às indicações originais de Mussorgsky, e das poucas que contempla a suíte completa (a versão de Ravel, mais conhecida, omite a quinta Promenade).

 Maestro Fabio Mechetti

Diretor Artístico e Regente Titular da Orquestra Filarmônica de Minas Gerais desde sua criação, em 2008, Fabio Mechetti posicionou a orquestra mineira no cenário mundial da música erudita. Além dos prêmios conquistados, levou a Filarmônica a quinze capitais brasileiras, a uma turnê pela Argentina e Uruguai e realizou a gravação de oito álbuns, sendo três para o selo internacional Naxos. Natural de São Paulo, Mechetti serviu recentemente como Regente Principal da Filarmônica da Malásia, tornando-se o primeiro regente brasileiro a ser titular de uma orquestra asiática.

Nos Estados Unidos, Mechetti esteve quatorze anos à frente da Orquestra Sinfônica de Jacksonville e, atualmente, é seu Regente Titular Emérito. Foi também Regente Titular das sinfônicas de Syracuse e de Spokane, da qual hoje é seu Regente Emérito. Regente associado de Mstislav Rostropovich na Orquestra Sinfônica Nacional de Washington, com ela dirigiu concertos no Kennedy Center e no Capitólio. Da Sinfônica de San Diego, foi Regente Residente. Fez sua estreia no Carnegie Hall de Nova York conduzindo a Sinfônica de Nova Jersey. Continua dirigindo inúmeras orquestras norte-americanas e é convidado frequente dos festivais de verão norte-americanos, entre eles os de Grant Park em Chicago e Chautauqua em Nova York.

Igualmente aclamado como regente de ópera, estreou nos Estados Unidos dirigindo a Ópera de Washington. No seu repertório destacam-se produções de ToscaTurandotCarmemDon GiovanniCosì fan tutteLa BohèmeMadame ButterflyO barbeiro de SevilhaLa Traviata e Otello. Suas apresentações se estendem ao Canadá, Costa Rica, Dinamarca, Escócia, Espanha, Finlândia, Itália, Japão, México, Nova Zelândia, Suécia e Venezuela. No Brasil, regeu todas as importantes orquestras brasileiras. Fabio Mechetti é Mestre em Regência e em Composição pela Juilliard School de Nova York e vencedor do Concurso Internacional de Regência Nicolai Malko, da Dinamarca.

 Evelyn Glennie, percussão

 Evelyn Glennie é a primeira pessoa na história a criar e manter com sucesso uma carreira em tempo integral como percussionista solo. Ao longo dos anos, tem se apresentado por todo o mundo com os principais regentes, orquestras e artistas. Executou o primeiro concerto de percussão na história do BBC Proms, em 1992, no Royal Albert Hall, ajudando a popularizar os concertos para o instrumento. Gravou mais de 30 discos, tem mais de 200 obras comissionadas em seu nome e já recebeu mais de 80 prêmios internacionais, incluindo o Polar Music Prize, dois Grammy e uma indicação ao BAFTA. O documentárioTouch the Sound e uma inspiradora palestra no TED Talks mostram a relação de Evelyn, surda desde a infância, com a música, e com a percussão em especial. Nascida na Escócia, foi convidada a se apresentar na Cerimônia de Abertura dos Jogos Olímpicos de Londres, em 2012, e recebeu o título de “Dame”, o maior da Ordem do Império Britânico, em 2007.

 Sobre a Orquestra Filarmônica de Minas Gerais

A Orquestra Filarmônica de Minas Gerais fez seu primeiro concerto em 2008, há dez anos. Diante de seu compromisso de ser uma orquestra de excelência, cujo planejamento envolve concertos de série, programas educacionais, circulação e produção de conteúdos para a disseminação do repertório sinfônico brasileiro e universal, a Filarmônica chega a 2018 como um dos mais bem-sucedidos programas continuados no campo da música erudita, tanto em Minas Gerais como no Brasil. Reconhecida com prêmios culturais e de desenvolvimento econômico, a nossa Orquestra, como é carinhosamente chamada pelo público, inicia sua segunda década com a mesma capacidade inaugural de sonhar, de projetar e executar programas valiosos para a comunidade e sua conexão com o mundo.

 Números da Filarmônica de Minas Gerais em 10 anos (dados até 4 de novembro de 2018)

  • 1.050 milhão espectadores
  • 816 concertos realizados
  • 1.000 obras interpretadas
  • 104 concertos em turnês estaduais
  • 38 concertos em turnês nacionais
  • 5 concertos em turnê internacional
  • 90 músicos
  • 569 notas de programa publicadas no site
  • 182 webfilmes publicados (19 com audiodescrição)
  • coleção com 3 livros e 1 DVD sobre o universo orquestral
  • 4 exposições itinerantes e multimeios sobre música clássica
  • 3 CDs pelo selo internacional Naxos (Villa-Lobos)
  • 1 CD pelo selo nacional Sesc (Guarnieri e Nepomuceno)
  • 3 CDs independentes (Brahms&Liszt, Villa-lobos e Schubert)
  • 1 trilha para balé com o Grupo Corpo
  • 1 adaptação de Pedro e o Lobo, de Prokofiev, para orquestra e bonecos com o Grupo Giramundo

 

SERVIÇO:

  • Série Allegro – 29 de novembro – 20h30 – Sala Minas Gerais
  • Série Vivace – 30 de novembro – 20h30 – Sala Minas Gerais

Fabio Mechetti, regente

Evelyn Glennie, percussão

MACMILLAN – Veni, veni, Emmanuel

 INTERVALO

 DEBUSSY – Prelúdio para “A tarde de um fauno”

MUSSORGSKY/Mignone – Quadros de uma exposição

Ingressos:  R$ 44 (Coro) R$ 50 (Balcão Palco) R$ 50 (Mezanino), R$ 68 (Balcão Lateral), R$ 92 (Plateia Central) e R$ 116 (Balcão Principal).

Meia-entrada para estudantes, maiores de 60 anos, jovens de baixa renda e pessoas com deficiência, de acordo com a legislação.

Ingressos para o setor Coro serão comercializados somente após a venda dos demais setores.

Ingressos comprados na bilheteria não têm taxa de conveniência.

Informações: (31) 3219-9000 ou www.filarmonica.art.br

Funcionamento da bilheteria:

Sala Minas Gerais – Rua Tenente Brito Melo, 1090 – Bairro Barro Preto

De terça-feira a sexta-feira, das 12h às 20h.

Aos sábados, das 12h às 18h.

Em quintas e sextas de concerto, das 12h às 22h

Em sábados de concerto, das 12h às 21h.

Em domingos de concerto, das 9h às 13h.

São aceitos cartões com as bandeiras Amex, Aura, Redecard, Diners, Elo, Hipercard, Mastercard, Redeshop, Visa e Visa Electron.

http://www.filarmonica.art.br

Casa Fiat de Cultura apresenta a exposição O que escondo só a mim basta

O que escondo só a mim basta” é a exposição do artista Miro Bampa que a Casa Fiat de Cultura inaugura no dia 9 de outubro. Um dos projetos escolhidos no 2º Programa de Seleção da Piccola Galleria, a mostra é composta por uma série de 30 objetos, no formato de 30 x 20 cm, criados a partir da fragmentação de memórias afetivas do artista. O agrupamento dessas lembranças em um ato estético é um processo autobiográfico de resgatar uma história, abrigando os fantasmas acumulados em uma narrativa secreta. A exposição, que tem curadoria de Fabio Cerqueira, fica aberta à visitação até 25 de novembro, com entrada gratuita.

O trabalho de Miro Bampa está voltado em sempre descobrir novos materiais e novas possibilidades. Os objetos que integram a exposição ”O que escondo só a mim basta”, por exemplo, são construídos com a técnica de encáustica: imagens, textos e cartas são misturados com cera de abelha em um bloco de parafina com aproximadamente 1 cm de espessura. A intenção do artista é dar a sensação de página de livros, panfletos ou cartazes, sugerindo a visão de um diário ou algo semelhante, uma forma de registro pessoal, que revela-se num processo linguístico e iconológico para a livre interpretação de suas histórias. Segundo ele, o trabalho apresentado é desenvolvido em função do imaginário. “Nada é falso, mas sim uma história a ser investigada”, conta.

O processo criativo do artista começa resgatando imagens, textos e fragmentos de cartas que, em seguida, são agrupadas de maneira intuitiva. A criação de cada obra é inicialmente estética, os textos são apresentados conforme a necessidade poética e imagética da obra. De acordo com Miro, a construção tem como ato principal uma imagem central de maior peso que permite variantes imaginárias ao espectador. “A interpretação de cada obra será pessoal, pois as palavras ou frases permitem aos outros construir minha história ou narrativa”, ressalta.

Miro Pampa, em suas obras, costuma fazer releituras de antigos trabalhos. Como o guarda-chuva que está presente em alguns objetos e faz parte da uma outra série de mesmo nome. E a cadeira, que fazia parte de uma série que se chamava “Silêncio”. “O objeto é refação, cada coisa é sempre refeita. É uma constante redefinição e ressignificação da arte. Tudo pode servir como inspiração e material para novas produções”, afirma.

A exposição ”O que escondo só a mim basta” é uma realização do Ministério da Cultura, por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura e da Casa Fiat de Cultura, com o patrocínio da Fiat Chrysler Automóveis (FCA), Banco Fidis, Fiat Chrysler Finanças, Fiat Chrysler Participações e Banco Safra. A exposição conta com apoio institucional do Circuito Liberdade, Instituto Estadual do Patrimônio Histórico (Iepha), Governo de Minas e Governo Federal.

Miro Bampa               

Pintor, desenhista e artista experimental, atuando desde 1982. Frequentou o ateliê de Alberto Teixeira, Nazareth Pacheco, Eder Chiodetto e Samatha Moreira. Participou de várias exposições, salões e mostra de artes nacionais e internacionais (EUA, México, Portugal e Alemanha). Premiado em vários salões de arte no país. Em 1991 abandona a pintura figurativa expressionista para desenvolver um trabalho abstrato com colagens (assemblagens). Faz uso de diversos materiais numa pesquisa constante de suportes. Atualmente desenvolve trabalho com encáustica e fotografia interferida.

Piccola Galleria

A Piccola Galleria da Casa Fiat de Cultura é um espaço de permanente incentivo às expressões artísticas que foi criado em 2016, destinado a novos artistas. A proposta é apresentar e destacar trabalhos inéditos &ndash pinturas, desenhos, gravuras, esculturas, fotografias, instalações, performances e/ou videoarte &ndash de artistas locais, brasileiros ou estrangeiros.

O espaço, situado ao lado do painel “Civilização Mineira”, de Candido Portinari, no Hall Principal da Casa Fiat de Cultura, abriga exposições de curta duração, mas com toda visibilidade que a instituição enseja. No espaço são realizados dois tipos de mostras: aquelas programadas pela própria Casa Fiat de Cultura e as destinadas a artistas que inscreveram seus trabalhos, por meio de um processo de seleção realizado anualmente. Local intimista e com grande circulação de público, a Piccola Galleria conta com a chancela da Casa Fiat de Cultura e do Circuito Liberdade, um dos mais importantes corredores culturais do país.

Dentre os 97 inscritos no 2º Programa de Seleção, seis foram escolhidos: Fernanda Fernandes (Belo Horizonte), Wendell Leal (Belo Horizonte), Mariângela Haddad (Ponte Nova-MG), Maíse Couto (Belo Horizonte), Ildeu Lazarinni (Belo Horizonte) e Miro Bampa (Vinhedo-SP). Os trabalhos, inéditos e com técnicas diferenciadas, reúnem fotografias, aquarelas, pinturas a óleo e acrílica, instalação e assemblages.

Casa Fiat de Cultura

Há 12 anos, a Casa Fiat de Cultura cumpre importante papel na transformação do cenário cultural mineiro, ao apresentar, em Belo Horizonte, algumas das mais relevantes e prestigiadas exposições já realizadas no Brasil. Foram mais de 40 exposições de consagrados artistas brasileiros e internacionais, além de mostras de artistas que despontam na cena contemporânea. Sua contribuição à renovação da produção artística e à formação de público se estende por meio de uma programação diversificada de música, palestras e de um Programa Educativo que propõe conceitos e reflexões no diálogo com o público em visitas mediadas e nas práticas promovidas no Ateliê Aberto, um espaço de experimentação artística livre. A Casa Fiat de Cultura integra um dos mais expressivos corredores culturais do país, o Circuito Liberdade, em Belo Horizonte. Em sua sede no histórico edifício do Palácio dos Despachos apresenta, em caráter permanente, o simbólico painel de Portinari, Civilização Mineira, de 1959. Mais de 2,5 milhões de pessoas já visitaram suas exposições e 400 mil participaram de suas atividades educativas.

SERVIÇO

Exposição “O que escondo só a mim basta” – Miro Bampa na Piccola Galleria da Casa Fiat de Cultura                                                                                                                                                       

9 de outubro a 25 de novembro de 2018

Terça a sexta, das 10h às 21h sábados, domingos e feriados, das 10h às 18h

Entrada gratuita

Casa Fiat de Cultura

Circuito Liberdade

Praça da Liberdade, 10  Funcionários BH/MG

Horário de funcionamento: terça a sexta, das 10h às 21h – Sábados, domingos e feriados, das 10h às 18h

 

Informações

(31) 3289-8900

www.casafiatdecultura.com.br

casafiat@fcagroup.com

facebook.com.br/casafiatdecultura

Instagram: @casafiatdecultura

Twitter: @casafiat

www.circuitoculturalliberdade.com.br

www.casafiatdecultura.com.br

Natal Mágico do Shopping Del Rey

A contagem regressiva para o Natal já começou e o Shopping Del Rey preparou uma grande festa para celebrar a chegada do “Bom Velhinho”. No próximo sábado (10), a partir das 16h, o público poderá vivenciar toda a magia do Natal em um musical interativo, com a apresentação de corais e performances de personagens lúdicos. Além de conferir as novidades do empreendimento para a data.

O evento gratuito marca o início do “Natal Mágico do Shopping Del Rey”, uma plataforma de ações com experiências que prometem encantar as famílias. “Preparamos uma programação especial e gratuita para entreter as famílias durante todo o período natalino. Teremos apresentações de corais, encontro com personagens Disney, entre outras ações que tornarão a visita ao shopping inesquecível”, revela Marina Moura, gerente de marketing do empreendimento.

Uma das novidades para este ano é que, além de interagir com o Papai Noel, as crianças poderão tirar fotos gratuitas com ele. “A foto da família é uma das tradições do Natal e agora todos terão a possibilidade de eternizar esse momento, inclusive os pets, que terão trono especial”, conta Marina. Além disso, um balcão de serviços fotográficos profissionais estará disponível no local para a comercialização de produtos personalizados.

A partir de sábado (10), o público poderá conferir de perto a decoração natalina do Shopping Del Rey. A “Fábrica do Mickey” será reproduzida na Praça de Eventos (1º piso) com espaços interativos inspirados nos personagens mais queridos da Disney &ndash Mickey, Minnie, Pateta e Pato Donald.

Noel Fone

Até sexta-feira (9), as crianças poderão fazer seus pedidos ao Papai Noel de uma maneira inusitada. O Noel Fone, instalado no 1º piso, oferece uma linha direta com o “Bom Velhinho”, em que as pessoas podem interagir em tempo real com o personagem. A atração gratuita funciona diariamente, das 12h às 20h.

Serviço

NATAL MÁGICO NO SHOPPING DEL REY

Local: Shopping Del Rey (Av. Presidente Carlos Luz, 3001, Pampulha), 1º piso

Atrações gratuitas

Mais informações: (31) 3479-2000

– Noel Fone (1º piso): Até 9 de novembro, das 12h às 20h.

– Chegada do Papai Noel (1º piso): Dia 10 de novembro, às xxh

www.shoppingdelrey.com.br

IV Halloween Mamãe Sortuda

As crianças de todas as idades (e os adultos também) vão se divertir brincando de “Doces ou Travessuras” durante o Halloween Mamãe Sortuda, que acontece no próximo sábado, 27 de outubro, no Jardim do Sol, de 9h às 12h30. Já tradicional no calendário de Belo Horizonte, o evento chega à sua quarta edição em 2018 com muitas novidades. Os destaques desta manhã especial ficam por conta do show do grupo Coração Palpita e das brincadeiras organizadas pela equipe de brincantes da Quem Sonha, além de ser a primeira vez que o evento acontece em um local fechado, o Jardim do Sol.

Desde 2014, quando aconteceu a primeira edição, a comemoração era feita em parques abertos ao público como o Jacques Couteau que recebeu a última edição, com direito a piquenique, brincadeiras e concurso de melhor fantasia. “Nosso objetivo é trazer interação e brincadeiras entre pais e filhos do início ao fim do evento, e permitir um dia diferente, divertido e cheio de fantasias!” comenta Heloisa Drumond, co-fundadora do Mamãe Sortuda.

O grupo Coração Palpita se apresenta a partir das 11h e trás no repertório músicas que proporcionam uma verdadeira viagem em um mundo de caras e bocas divertidas, heróis com poderes inusitados e até mesmo uma música em homenagem a “cosquinha”. Já a Quem Sonha vai promover, durante todo o evento, um verdadeiro resgate das brincadeiras infantis antigas como “queimada”, “pula-corda” e “estátua”, pra ninguém ficar parado.

Para acalmar as barriguinhas, o Halloween conta com a parceria das empresas Mais Suco Por Favor Santo Gelinho Crepioca Boi Truck Stefânia Oliveira Nutricionista Coxet Pipokando e Caldas Doces. Os ingressos antecipados já estão à venda pelo Sympla (www.sympla.com.br) e custam R$7 crianças e R$12 adultos. Crianças até 11 meses e 29 dias não pagam. Não haverá venda de ingressos no local.

Sobre o Mamãe Sortuda:

Fundada em 2014, a rede de Mães Mamãe Sortuda é composta por 12 mães, e desenvolve em Belo Horizonte produção de conteúdo em formato blog e em redes sociais voltado para famílias, produz eventos temáticos (como Halloween, Caça aos Ovos, Carnaval dentre outros, fomenta uma plataforma para mães empreendedoras venderem seus produtos/serviços e se reúne trimestralmente com objetivo de incentivar o empreendedorismo entre mães (Floresça Mãe).

Sobre Coração Palpita:

O Coração Palpita é um grupo mineiro de música para crianças com 2 CDs autorais em seu repertorio. Desde sua fundação (2014) o grupo tem como base a criação de conteúdos que valorizem a essência positiva e alegre das crianças. Abordando temas que inspiram a criação de hábitos saudáveis e que estimulam uma cultura “do bem” , amorosa, empática e pacifica. Formado pela dupla de artistas palpitantes, Guto Passarinho e Marina Flor, seu repertorio viaja em um mundo de caras e bocas divertidas, heróis com poderes inusitados e até mesmo uma música em homenagem a “cosquinha”. As apresentações vibrantes, convidam o público para uma divertida experiência cênica e musical. O Coração Palpita valoriza a inteligência das crianças e as emoções dos grandinhos. Acredita na importância de criar conteúdo de qualidade para auxiliar na formação dos pequenos ouvintes. De forma poética, gentil, engraçada e com cara de criança, convida a cantar, sonhar e fazer do mundo um lugar melhor, mais artista, mais brincante: Mais Palpitante!

Realização: Mamãe Sortuda

Parceiros: Jardim do Sol Coração Palpita Marco Túlio Photography e Quem Sonha, Mais Suco Por Favor Santo Gelinho Crepioca Boi Truck Stefânia Oliveira Nutricionista Coxet Pipokando e Caldas Doces.

Apoio: Mr. Clean Odontologia e Belotur

Midia Partner: Mommys do Face, Padecendo no Paraiso, Reino Mãe, Recreio em Casa e Eu Curto Ser Mãe

SERVIÇO:

IV Halloween Mamãe Sortuda

Local: Jardim do Sol &ndash Rua Piemonte, 230 – Bandeirantes

Horário: 9h às 12h30

Ingressos: R$7 Criança e R$12 Adulto, vendas antecipadas pelo www.sympla.com.br

Mais informações: (31) 98771-5676

www.mamaesortuda.com

Casa Fiat de Cultura apresenta a exposição O que escondo só a mim basta, de Miro Bampa

O que escondo só a mim basta” é a exposição do artista Miro Bampa que a Casa Fiat de Cultura inaugura no dia 9 de outubro. Um dos projetos escolhidos no 2º Programa de Seleção da Piccola Galleria, a mostra é composta por uma série de 30 objetos, no formato de 30 x 20 cm, criados a partir da fragmentação de memórias afetivas do artista. O agrupamento dessas lembranças em um ato estético é um processo autobiográfico de resgatar uma história, abrigando os fantasmas acumulados em uma narrativa secreta. A exposição, que tem curadoria de Fabio Cerqueira, fica aberta à visitação até 25 de novembro, com entrada gratuita.

O trabalho de Miro Bampa está voltado em sempre descobrir novos materiais e novas possibilidades. Os objetos que integram a exposição O que escondo só a mim basta, por exemplo, são construídos com a técnica de encáustica: imagens, textos e cartas são misturados com cera de abelha em um bloco de parafina com aproximadamente 1 cm de espessura. A intenção do artista é dar a sensação de página de livros, panfletos ou cartazes, sugerindo a visão de um diário ou algo semelhante, uma forma de registro pessoal, que revela-se num processo linguístico e iconológico para a livre interpretação de suas histórias. Segundo ele, o trabalho apresentado é desenvolvido em função do imaginário. “Nada é falso, mas sim uma história a ser investigada”, conta.

O processo criativo do artista começa resgatando imagens, textos e fragmentos de cartas que, em seguida, são agrupadas de maneira intuitiva. A criação de cada obra é inicialmente estética, os textos são apresentados conforme a necessidade poética e imagética da obra. De acordo com Miro, a construção tem como ato principal uma imagem central de maior peso que permite variantes imaginárias ao espectador. “A interpretação de cada obra será pessoal, pois as palavras ou frases permitem aos outros construir minha história ou narrativa”, ressalta.

Miro Pampa, em suas obras, costuma fazer releituras de antigos trabalhos. Como o guarda-chuva que está presente em alguns objetos e faz parte da uma outra série de mesmo nome. E a cadeira, que fazia parte de uma série que se chamava “Silêncio”. “O objeto é refação, cada coisa é sempre refeita. É uma constante redefinição e ressignificação da arte. Tudo pode servir como inspiração e material para novas produções”, afirma.

A exposição ”O que escondo só a mim basta” é uma realização do Ministério da Cultura, por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura e da Casa Fiat de Cultura, com o patrocínio da Fiat Chrysler Automóveis (FCA), Banco Fidis, Fiat Chrysler Finanças, Fiat Chrysler Participações e Banco Safra. A exposição conta com apoio institucional do Circuito Liberdade, Instituto Estadual do Patrimônio Histórico (Iepha), Governo de Minas e Governo Federal.

Miro Bampa               

Pintor, desenhista e artista experimental, atuando desde 1982. Frequentou o ateliê de Alberto Teixeira, Nazareth Pacheco, Eder Chiodetto e Samatha Moreira. Participou de várias exposições, salões e mostra de artes nacionais e internacionais (EUA, México, Portugal e Alemanha). Premiado em vários salões de arte no país. Em 1991 abandona a pintura figurativa expressionista para desenvolver um trabalho abstrato com colagens (assemblagens). Faz uso de diversos materiais numa pesquisa constante de suportes. Atualmente desenvolve trabalho com encáustica e fotografia interferida.

Piccola Galleria

A Piccola Galleria da Casa Fiat de Cultura é um espaço de permanente incentivo às expressões artísticas que foi criado em 2016, destinado a novos artistas. A proposta é apresentar e destacar trabalhos inéditos &ndash pinturas, desenhos, gravuras, esculturas, fotografias, instalações, performances e/ou videoarte &ndash de artistas locais, brasileiros ou estrangeiros.

O espaço, situado ao lado do painel “Civilização Mineira”, de Candido Portinari, no Hall Principal da Casa Fiat de Cultura, abriga exposições de curta duração, mas com toda visibilidade que a instituição enseja. No espaço são realizados dois tipos de mostras: aquelas programadas pela própria Casa Fiat de Cultura e as destinadas a artistas que inscreveram seus trabalhos, por meio de um processo de seleção realizado anualmente. Local intimista e com grande circulação de público, a Piccola Galleria conta com a chancela da Casa Fiat de Cultura e do Circuito Liberdade, um dos mais importantes corredores culturais do país.

Dentre os 97 inscritos no 2º Programa de Seleção, seis foram escolhidos: Fernanda Fernandes (Belo Horizonte), Wendell Leal (Belo Horizonte), Mariângela Haddad (Ponte Nova-MG), Maíse Couto (Belo Horizonte), Ildeu Lazarinni (Belo Horizonte) e Miro Bampa (Vinhedo-SP). Os trabalhos, inéditos e com técnicas diferenciadas, reúnem fotografias, aquarelas, pinturas a óleo e acrílica, instalação e assemblages.

Casa Fiat de Cultura

Há 12 anos, a Casa Fiat de Cultura cumpre importante papel na transformação do cenário cultural mineiro, ao apresentar, em Belo Horizonte, algumas das mais relevantes e prestigiadas exposições já realizadas no Brasil. Foram mais de 40 exposições de consagrados artistas brasileiros e internacionais, além de mostras de artistas que despontam na cena contemporânea. Sua contribuição à renovação da produção artística e à formação de público se estende por meio de uma programação diversificada de música, palestras e de um Programa Educativo que propõe conceitos e reflexões no diálogo com o público em visitas mediadas e nas práticas promovidas no Ateliê Aberto, um espaço de experimentação artística livre. A Casa Fiat de Cultura integra um dos mais expressivos corredores culturais do país, o Circuito Liberdade, em Belo Horizonte. Em sua sede no histórico edifício do Palácio dos Despachos apresenta, em caráter permanente, o simbólico painel de Portinari, Civilização Mineira, de 1959. Mais de 2,5 milhões de pessoas já visitaram suas exposições e 400 mil participaram de suas atividades educativas.

SERVIÇO

Exposição “O que escondo só a mim basta”- Miro Bampa na Piccola Galleria da Casa Fiat de Cultura                                                                                                                                                       

9 de outubro a 25 de novembro de 2018

Terça a sexta, das 10h às 21h sábados, domingos e feriados, das 10h às 18h

Entrada gratuita

Casa Fiat de Cultura

Circuito Liberdade

Praça da Liberdade, 10 &ndash Funcionários &ndash BH/MG

Horário de funcionamento: terça a sexta, das 10h às 21h &ndash Sábados, domingos e feriados, das 10h às 18h

 

Informações

(31) 3289-8900

www.casafiatdecultura.com.br

casafiat@fcagroup.com

facebook.com.br/casafiatdecultura

Instagram: @casafiatdecultura

Twitter: @casafiat

www.circuitoculturalliberdade.com.br

www.casafiatdecultura.com.br

FALE CONOSCO

Entre em contato conosco pelo formulário abaixo, enviando seu currículo, seu portfólio ou sua dúvida. Entraremos em contato com você, assim que possível!